quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Secretaria Municipal de Transportes apresenta o Plano Municipal de Mobilidade de São Paulo - PLANMOB 2015-2030

Logotipo Plano de Mobilidade Urbana ( Planmob )
A Secretaria dos Transportes apresentou nesta quarta-feira, 16/12, o Plano de Mobilidade Urbana ( Planmob ) para os próximos 15 anos, durante a 16ª reunião do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito – CMTT. Tendo como prioridade o pedestre, a proposta teve a participação de 11 mil pessoas, 8 mil delas somente pela Internet. Oito secretarias contribuíram para sua elaboração.

Após dois anos de debates, foram 32 encontros nas subprefeituras, outros 5 em regiões da cidade e mais 10 reuniões temáticas.

Tendo como base a Lei Federal 12.587/12, que trata do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, e a Lei Municipal 16.050/14, que aborda o Plano Diretor Estratégico, o Planmob traz propostas como a ampliação da malha cicloviária e dos corredores e faixas exclusivas, além da construção de calçadas.

Além da Secretaria dos Transportes, o Plano foi construído em conjunto com as secretarias de Habitação, Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida; Infraestrutura Urbana e Obras; Verde e Meio Ambiente; Gestão; Coordenação de Subprefeituras e Desenvolvimento Urbano.

As propostas:

O Plano Municipal de Mobilidade Urbana de São Paulo - PLANMOB 2015/2030 prioriza progressivamente o pedestre, o ciclista, o transporte público, o transporte de carga e, por fim, o transporte individual (automóveis e motocicletas), prevendo:
  • Acessibilidade universal
  • Desenvolvimento sustentável
  • Equidade no acesso e no uso do espaço
  • Eficiência, eficácia e efetividade
  • Gestão democrática
  • Segurança nos deslocamentos
  • Redução dos custos urbanos
  • Justiça social
Propostas para Mobilidade do Pedestre
Criação de um grupo intersecretarial no município e o Plano Emergencial de Calçadas para revitalização de 250.000m² por ano até 2030.

Propostas para Mobilidade do Ciclista
Serão 540 km de ciclovias em corredores, 1.500 km na malha viária, 4.000 paraciclos e compartilhamento em 100% do território da cidade.

Propostas para Mobilidade para o Transporte Público
Construção de 600km de corredores de ônibus, 860 km faixas exclusivas e 29 terminais de ônibus com facilidades de integração. Haverá ainda revisão da legislação para o Transporte Coletivo privado e adequação de vias para fretamento. No Transporte de escolares, criação de grupo de trabalho para soluções de embarque e desembarque nas escolas.

Propostas para Mobilidade para o Transporte de Carga
Estudo de periodicidade, implantação de terminais e mini terminais, estudar a viabilidade da expansão da Entrega Noturna e avançar na regulamentação do Motofrete.

Propostas para Mobilidade para o Transporte Individual
Monitoramento do sistema viário, 3.000 cruzamentos operando em tempo real, 2.676 cruzamentos operando em tempo fixo com monitoramento centralizado, 1.100 km de rede de fibra ótica, 1.680 câmeras; 119 painéis de mensagens variáveis, estudos para viabilizar presença do táxi nas periferias próximos aos terminais de transporte coletivo e incentivar formas de acesso ao usuário por meio de aplicativos regulamentados.

Segurança no Trânsito

Implantações rotineiras de projetos de segurança, continuidade do Programa de Proteção à Vida (PPV), criação de sete novas Áreas 40, 176 novos projetos Frente Segura, sempre com o objetivo de atingir a meta de redução (3 mortos/100.000 habitantes).

Mais informações podem ser obtidas na página da SMT:
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/transportes/planmob/

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

14 vias da capital terão redução de velocidade máxima a partir da próxima sexta-feira (18/12)

Logotipo Programa de Proteção à Vida - PPV
Será implantada a partir da próxima sexta-feira (18/12) a redução de velocidade máxima em 14 vias da capital. As alterações acontecerão na Rua Manoel Barbosa, Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, Estrada de Perus, Avenida Guido Caloi, Avenida Giovanni Gronchi, Estrada do Alvarenga, Avenida José Maria Whitaker, Rua Alvinópolis, Avenida Antônio Batuíra, Avenida Queiroz Filho, Rua Cerro Corá, Rua Conselheiro Moreira de Barros, Avenida Duque de Caxias e Rua Mauá.

A medida está inserida no plano de redução de acidentes viários do Programa de Proteção à Vida (PPV). Serão instalados faixas e painéis informativos para orientar os motoristas sobre as mudanças e utilizadas 200 placas de sinalização.

O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013 e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes, como a implantação das Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

Alterações no Sistema Viário

Rua Manoel Barbosa
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Praça Manoel de Souza Araújo e a Avenida Fuad Luftalla (trecho com 0,4 km de extensão).

Avenida Raimundo Pereira de Magalhães
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Joana Pedroso dos Santos e a Avenida Fiorelli Peccicacco (trecho com 2,2 km de extensão).

Estrada de Perus
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Via Anhanguera e a Avenida Doutor Sylvio de Campos (trecho com 3,5 km de extensão).

Avenida Guido Caloi
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Ponte Transamérica e a Avenida Guarapiranga (trecho com 1,5 km de extensão).

Avenida Giovanni Gronchi
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Morumbi e a Avenida João Dias (trecho com 7,1 km de extensão).

Estrada do Alvarenga
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Nossa Senhora de Sabará e a Estrada Pedreira - Alvarenga (trecho com 5,7 km de extensão).

Avenida José Maria Whitaker
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Professor Ascendino Reis e a Avenida Afonso Mariano Fagundes (trecho com 1,8 km de extensão).

Rua Alvinópolis (Sentido Centro)
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre o Viaduto Dona Matilde e a Rua Mirandinha (trecho com 0,7 km de extensão).

Avenida Antônio Batuíra
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida das Nações Unidas e a Avenida Pedroso de Morais (trecho com 0,7 km de extensão).

Avenida Queiroz Filho
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Praça Apecatu e a Rua Cerro Corá (trecho com 1,1 km de extensão).

Rua Cerro Corá
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h nos seguintes trechos:
• Entre a Rua Pio XI e a Rua Bariri – Sentido Centro (trecho com 0,2 km de extensão).
• Entre a Rua Laura Vicunã e a Rua Alice Macuco Alves – Sentido Centro (trecho com 0,2 km de extensão).
• Entre a Rua Ajuricaba e a Rua Paumari - Sentido Bairro (trecho com 0,2 km de extensão).

Rua Conselheiro Moreira de Barros
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Voluntários da Pátria e Avenida Parada Pinto (trecho com 2,3 km de extensão).

Avenida Duque de Caxias / Rua Mauá
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre o Largo do Arouche e o Viaduto General Couto de Magalhães (trecho com 1,4 km de extensão).

A Engenharia de Campo da CET vai monitorar e orientar o tráfego na região, visando melhorar as condições de trânsito e preservar a segurança de pedestres e motoristas.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O serviço 1188: “Alô, como posso ajudá-lo?”

Central de Operações da CET, onde são realizados atendimentos e serviços do dia a dia da cidade, como o do telefone 1188, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Foto: Sidnei Santos


Ter acesso à informação certa, no momento certo, é essencial para se deslocar em segurança com fluidez pelo trânsito. Na Central de Operações, o atendimento ao munícipe, através do telefone gratuito 1188, é ininterrupto: por dia, são recebidas em média 3.000 ligações, 99.000 chamadas/mês. O tempo médio de conversação dos atendentes, em agosto/2015, foi de 2 minutos e 20 segundos.

De janeiro a julho de 2015, o 1188 recebeu 160.780 solicitações, das quais 101.682 (63%) foram pedidos de fiscalização. Nesse montante, alguns em nome de um mesmo solicitante tocaram os atendentes Paula Passerini, Fábio Lourenço Cirillo, Renato Almeida Rodrigues – mais conhecido como Real e Valdeci Pedro da Silva Junior. Entenda melhor lendo este relato:


1188: Conexões técnicas e emocionais

Num ritmo acelerado, o 1188 oferece atendimento ininterrupto ao munícipe. Pessoas com características variadas, peculiares, com suas dúvidas, reclamações, críticas e sugestões, e muitos, por um motivo ou outro, incorporam à rotina o contato com o 1188.

Considerando o aspecto técnico, objetivo, que o atendimento exige, fica difícil explicar como às vezes um fator mais humano vem à tona, e a conexão emocional acontece.

Nesse mesmo contexto, estávamos habituados com um munícipe, senhor Valter, já com seus 70 e poucos anos, que sempre pedia apoio à CET devido a automóveis estacionados irregularmente em sua guia rebaixada. Mas, o que não imaginávamos era o tamanho, a intensidade da conexão emocional que ele estabelecera com a Companhia.

Só constatamos quando a esposa ligou informando o falecimento dele. Relatou, emocionada, que quando o nosso munícipe sentiu a gravidade de sua situação, horas antes de falecer, pediu à mulher que não deixasse de avisar os seus amigos da CET.

Ele lembrou e citou os nomes dos atendentes do 1188 com quem frequentemente falava e, apesar de não os conhecer, com certeza respeitava e admirava. Eram seus amigos.

É, há sempre algo de muito enriquecedor nas relações humanas, mesmo no ambiente corporativo.

Sentimos por sua partida e agradecemos pelo carinho, senhor Valter. Mais do que isso: agradecemos por nos mostrar que sempre vale a pena acreditar no lado bom da vida e que estamos na direção certa, buscando a excelência no atendimento, valorizando o ser humano.

Paula Passerini, atendente do 1188


Entrevista: Por trás do telefone, muitas histórias...

Com sete anos de CET, Passerini, Real e Valdeci são, tal como Fábio são Operadores de Monitoramento e Informações de Trânsito, coordenados por Leonardo Zveibil. Além da sensibilidade no trato interpessoal, eles acumulam boas histórias. Conheça, aqui, as principais:

Como conheceram o senhor Valter? Ele ligava muito para o 1188?
Passerini: Desde janeiro/15, ele fez 18 chamadas, quase todas reclamando de veículos em frente à sua guia-rebaixada na Rua Diogo Vaz, no Cambuci. Toda vez que isso acontecia, ele ligava para requerer e, depois, agradecer o serviço prestado. Era um homem gentil e simpático.

Real:
Conversávamos bastante. Assim eu soube que ele tinha uma filha e, no quintal de casa, mantinha um abacateiro. Até me convidou a provar um abacate colhido daquele pé...

É comum as pessoas compartilharem histórias mais íntimas com vocês?
Real:
Acontece. O 1188 é uma chamada gratuita. Há pessoas solitárias com necessidade de conversar. Estamos abertos a ouvi-las e precisamos focar, também, nos assuntos da alçada da CET. Sempre.

Passerini: O trabalho no 1188 é um dos mais humanos desta empresa. Não é telemarketing. Uma vez, ajudei um rapaz com transtorno mental a se localizar. Ele havia saído de casa após brigar com o pai, passou dois dias perdido. Fui conversando, acionei a polícia para ajudá-lo. No fim, esse rapaz conseguiu retornar em segurança ao seu lar. Foi muito gratificante.

Fábio: Lidamos com variadas personalidades e casos. Desde o 194, a filosofia de trabalho se pauta em cordialidade e objetividade.

Dentre esses casos, lembram de outros curiosos?
Valdeci: Ah, sim, muitos aliás... Tem mulher que liga pro 1188 só pra confirmar a versão do marido, se, de fato, havia lentidão, pois ele disse que “o trânsito estava péssimo e por isso chegou tarde em casa”. E tem marido que liga pra saber se pode não enviar notificação de autuação para a sua casa, com medo da reação da esposa, pois ele, o infrator, não deveria ter burlado o rodízio e passado num endereço “tão pouco familiar”, bem naquele dia. (Risos)

Passerini: Atendi uma senhora que havia tido o carro guinchado pela CET, porque estacionou embaixo de uma placa "PROIBIDO PARAR E ESTACIONAR". Ela ligou indignada: “A sinalização de proibido estacionar é um E cortado ao meio. Onde eu estou, o E tem duas linhas em cima, então, a proibição de estacionar está anulada. Por que a CET guinchou meu carro? Devolvam!”

Fábio: E tem quem estacione sob a placa "PARE" e depois liga reclamando que foi injusta a CET guinchá-lo, afinal, a mensagem “PARE” era clara: permitia, sim, o estacionamento.

O Departamento de Atendimento e Acionamento da Central (DAA)

Além do 1188, o Departamento de Atendimento e Acionamento da Central atende, prestando informações a todo tempo, aos clientes internos e externos à CET, imprensa e prestadores de serviços públicos, sobre assuntos relacionados ao trânsito no município. Trabalham nessa área 82 empregados, nestas atividades principais:

- O telefone do trânsito 1188.
- URA (Unidade de Resposta Audível).
- SIP Multas (telefone 11 3219-0066), para quem está em outros municípios obter informações de autuações geradas na capital paulista.
- SAC Prefeitura (sistema integrado com a central 156).
- Monitoramento do que acontece na cidade através do Twitter.
- Telefone externo (11 3258-7589 e 3396-6709), para quem está em outros municípios obter informações sobre rodízio, ZMRC, Zona Azul, etc.
- SIP caminhões, fretados e motos, possibilita aos operadores consultar características de caminhões, ônibus e motos e subsidiar procedimentos de autuação em campo.
- Rádio escuta, para identificar novas ocorrências na cidade.
- Acionamento de órgãos externos (Subprefeitura, Copom, Bombeiros, etc.) quando necessário.

Trajetos nas zonas leste e oeste terão velocidade máxima reduzida a partir da próxima quarta-feira (16/12)

Logotipo Programa de Proteção à Vida - PPV
Será implantada a partir da próxima quarta-feira (16/12) a redução de velocidade máxima em 4 vias da capital. As alterações acontecerão na Avenida Sargento Miguel de Souza Filho, Avenida Serafim Gonçalves Pereira e Avenida Morumbi, que terão limite reduzido para 50 km/h, e na Avenida Tenente Amaro Felicíssimo da Silveira, onde a velocidade máxima será de 40 km/h.

A medida está inserida no plano de redução de acidentes viários do Programa de Proteção à Vida ( PPV ). Serão instaladas faixas e painéis informativos para orientar os motoristas sobre as mudanças e utilizadas 65 placas de sinalização.

O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013 e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes, como a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

Alterações no Sistema Viário

Avenida Sargento Miguel de Souza Filho
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Osaka e a Avenida Tenente Amaro Felicissímo da Silveira (trecho com 0,3 km de extensão).

Avenida Tenente Amaro Felicissímo da Silveira
Regulamentação de velocidade máxima de 40 km/h entre a Avenida Sargento Miguel de Souza Filho e a Alameda Segundo Sargento Assad Feres (trecho com 0,6 km de extensão).
Observação: Nesta via, a velocidade máxima permitida será de 40 km/h devido a área com intensa travessia de pedestres.

Avenida Serafim Gonçalves Pereira
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Praça Novo Mundo e a Avenida Morvan Dias de Figueiredo (trecho com 0,7 km de extensão).

Avenida Morumbi
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Ponte do Morumbi e a Rua Engenheiro Oscar Americano (trecho com 3,8 km de extensão).

Observações:


• Entre as avenidas Portugal e Santo Amaro, a velocidade máxima permitida será mantida em 30 km/h, por se tratar de trecho de área escolar.

• Entre a Avenida Portugal e a Ponte do Morumbi, a velocidade máxima permitida será de 40 km/h, devido às características comerciais do trecho.

• No trecho entre a Rua Engenheiro Oscar Americano e a Avenida Professor Francisco Morato, a velocidade máxima permitida será de 40 km/h, visto que a via possui tráfego intenso, grande volume de pedestres e circulação de ciclistas sem segregação física.

• Nos trechos de lombadas, no bairro do Morumbi, será mantida a velocidade máxima permitida de 30 km/h.

A Engenharia de Campo da CET vai acompanhar o desempenho da nova medida e intensificar o monitoramento do trânsito nessas regiões.