sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Seminário reúne especialistas em mobilidade a pé


A cidade de São Paulo está sediando o Seminário Internacional Cidades a Pé, organizado pela Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP) em parceria com o Banco Mundial. O evento, pioneiro e inédito no País, acontece no Instituto Tomie Ohtake, de 25 a 28/11, reunindo especialistas em mobilidade não-motorizada como os ex-funcionários da CET São Paulo, Meli Malatesta e Luís Carlos Néspoli, além do atual diretor de Planejamento e Educação de Trânsito da Companhia, o arquiteto e urbanista Tadeu Leite Duarte. Junto com outros engajados no tema, eles discutem uma pauta urgente do mundo contemporâneo: a importância do caminhar nas cidades.

Malatesta trabalhou 35 anos na Companhia de Engenharia de Tráfego, com Mobilidade a Pé e Mobilidade Cicloviária, enquanto Néspoli – que hoje é superintendente da ANTP – foi gerente de Educação de Trânsito na mesma empresa.



Dividido em painéis, oficinas temáticas e complementado por uma intensa programação artística paralela, o Seminário Cidades a Pé mostra tanto o panorama das metópoles que se desenvolveram de forma a dificultar o andar a pé quanto, por outro lado e numa análise contraposta, as iniciativas, políticas públicas e estudos que estão invertendo a lógica dos espaços urbanos ao promover cidades mais caminháveis.

No dia 26/11, a conferência contou com a presença do secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto. Em sua fala, ele ressaltou ser necessário qualificar o espaço público, “arrumando as praças, incentivando os artistas de rua e, principalmente, privilegiar o transporte público por meio de modais que garantam uma maior flexibilidade para o pedestre”.

A capital paulista, aliás, tem se mostrado bom exemplo de mobilidade urbana sustentável. Nos últimos dois anos, vem investindo pesado na questão de democratizar o uso do seu sistema viário, priorizando a implantação de faixas exclusivas de ônibus e mais ciclovias, sem esquecer de executar projetos de segurança para atender às necessidades dos mais vulneráveis no trânsito - os pedestres, ciclistas e, também, os motociclistas. Iniciativas como as faixas de travessia em diagonal e o Projeto Frente Segura vêm ao encontro dessa política.  

Para mais informações sobre o Cidades a Pé, acesse o site oficial do evento.

Fotos: Sidnei Santos

CET implanta redução de velocidade máxima em mais 8 vias, a partir de quarta-feira (02/12)


Logotipo Programa de Proteção à Vida - PPV
A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantará a partir da próxima quarta-feira (02/12) a redução de velocidade máxima para 50 km/h em 8 vias da capital. As alterações acontecerão na Avenida Paes de Barros, Rua Taquari, Rua Bresser, Viaduto Bresser, Avenida Bernardino Brito Fonseca de Carvalho, Avenida Professor Edgar Santos, Avenida Itaquera e Avenida Líder. Atualmente, a velocidade permitida nessas vias é de até 60 km/h.
 
A medida está inserida no plano de redução de acidentes viários do Programa de Proteção à Vida (PPV). Serão instalados faixas e painéis informativos para orientar os motoristas sobre as mudanças e utilizadas 114 placas de sinalização.

O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013 e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes, como o CET no Seu Bairro, a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

Alterações no Sistema Viário

Avenida Paes de Barros
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Professor Luiz Ignácio Anhaia Mello e a Rua Taquari (trecho com 3, 7 km de extensão).
Obs.: Junto à área escolar, entre a Rua Coronel Joviniano Brandão e a Rua Juventus, a velocidade máxima permitida será mantida em 40 km/h.

Rua Taquari
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Paes de Barros e a Rua Bresser (trecho com 2,3 km de extensão).

Rua Bresser
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Taquari e o Viaduto Bresser (trecho com 0,1 km de extensão).

Viaduto Bresser
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h em toda extensão (trecho com 0,1 km de extensão).

Avenida Bernardino Brito Fonseca de Carvalho
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Antônio Estêvão de Carvalho e Avenida Professor Edgar Santos (trecho com 2,7 km de extensão).
Obs.: Junto às lombadas, a velocidade máxima permitida será mantida em 30 km/h.

Avenida Professor Edgar Santos
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Bernardino Brito Fonseca de Carvalho e a Avenida Itaquera (trecho com 1,1 km de extensão).
Obs.: Junto às lombadas, a velocidade máxima permitida será mantida em 30 km/h.

Avenida Itaquera
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Rio das Pedras e a Avenida Líder (trecho com 6,7 km de extensão).
Obs.: Nas áreas com intensa travessia de pedestres e escolares, a velocidade máxima de 40 km/h será mantida; junto às lombadas, a velocidade máxima permitida será mantida em 30 km/h.

Avenida Líder
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Itaquera e a Rua Harry Danhemberg (trecho com 2,5 km de extensão).
Obs.: Nas áreas com intensa travessia de pedestres e escolares, a velocidade máxima de 40 km/h será mantida; junto às lombadas, a velocidade máxima permitida será mantida em 30 km/h.
 
A Engenharia de Campo da CET vai acompanhar o desempenho da nova medida e intensificar o monitoramento do trânsito nessas regiões.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Frente Segura reduz atropelamentos em 28%

O programa cria uma área de acomodação para motos e bicicletas junto aos semáforos e à frente dos demais veículos

Os atropelamentos diminuíram 28% e os acidentes com motos caíram 25% nos cruzamentos onde foi implantada a Frente Segura. A iniciativa começou a ser implementada há pouco mais de dois anos e integra o Programa de Proteção à Vida (PPV). A Frente Segura consiste na demarcação de um espaço para motos e bicicletas, junto aos semáforos e à frente dos outros veículos, o que facilita a saída quando o sinal abre para o trânsito.

Frente Segura 

Em 54 cruzamentos monitorados, um ano antes da respectiva criação da Frente houve 43 atropelamentos, após a instalação da área específica foram 31 casos.

O registro de acidentes envolvendo todos os veículos caiu de 161 para 142. Nesses casos, o número de feridos foi reduzido de 186 para 155 e os acidentes e atropelamentos envolvendo motos também cairam de 102 para 77.

Não houve notificação de situações fatais.

Veja quadro completo:

Antes
Depois
Variação
Atropelamentos
43
31
- 28%
Acidentes c/ vítimas (feridos)
118
111
- 6%
Total acidentes
161
142
- 12%
Feridos
186
155
- 17%

De abril de 2013 até outubro de 2015 foram implantados 326 Frentes em vias da cidade. Já estão prontos 71 novos projetos que serão executados.

Entre os locais onde houve a implantação podemos destacar as avenidas dos Bandeirantes, Eng. Caetano Álvares, Prof. Francisco Morato, Radial Leste, Rebouças, Sumaré e Tancredo Neves.

Projetos implantados:
  • 2013: 109
  • 2014: 71
  • 2015: 146
O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013 e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres.

Saiba mais sobre o projeto Frente Segura no site da CET.


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

CET implanta redução de velocidade máxima em mais 5 vias, a partir de sexta-feira (27/11)

Logotipo do Programa de Porteção à Vida (PPV)
A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantará a partir da próxima sexta-feira (27/11) a redução de velocidade máxima para 50 km/h em 5 vias da capital. As alterações acontecerão na Avenida Miguel Ignácio Curi, Complexo Viário Itaquera, Avenida Osvaldo Pucci, Avenida Ragueb Chohfi e Estrada do Iguatemi. Atualmente, a velocidade permitida nessas vias é de até 60 km/h.

A medida está inserida no plano de redução de acidentes viários do Programa de Proteção à Vida (PPV). Serão instalados faixas e painéis informativos para orientar os motoristas sobre as mudanças e utilizadas 146 placas de sinalização.

O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013 e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes, como o CET no Seu Bairro, a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

Alterações no Sistema Viário

Avenida Miguel Ignácio Curi - Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre o Complexo Viário Itaquera e a Avenida Itaquera (trecho com 1,6 km de extensão).
Nas proximidades das entradas da Arena Corinthians, a velocidade máxima de 40 km/h será mantida.

Complexo Viário Itaquera - Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre os viadutos de acesso à Radial Leste e a Avenida Itaquera (trecho com 0,3 km de extensão).
Nos viadutos de acesso à Radial Leste, a velocidade máxima de 40 km/h será mantida, devido às curvas.

Avenida Osvaldo Pucci - Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Baltasar Saldoni e a Avenida Afonso Sampaio e Sousa (trecho com 0,3 km de extensão).
O restante da avenida já possui velocidade máxima regulamentada de 50 km/h.

Avenida Ragueb Chohfi - Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Praça Felisberto Fernandes da Silva e a Estrada do Iguatemi (trecho com 6,8 km de extensão).
Nos trechos próximos às lombadas existentes, será mantida a velocidade máxima de 30 km/h.

Estrada do Iguatemi - Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida Ragueb Chohfi e a Estrada da Passagem (trecho com 4,2 km de extensão).
Nos trechos próximos às lombadas existentes, será mantida a velocidade máxima de 30 km/h.

A Engenharia de Campo da CET vai acompanhar o desempenho da nova medida e intensificar o monitoramento do trânsito nessas regiões.

Fale com a CET - Ligue 1188. Atendimento 24 horas para informações de trânsito, ocorrências, reclamações, remoções e sugestões.

São Paulo apresenta resultados positivos na 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito

Os reflexos positivos do Programa de Proteção a Vida foram apresentados pelo secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto

A política de mobilidade na cidade de São Paulo, no que se refere à melhoria dos deslocamentos, tem produzido uma série de resultados importantes. Entre eles, está a redução do número de mortes por 100 mil habitantes, que caiu de 12 para 9,45 nos últimos cinco anos. Esse e outros números foram apresentados pelo secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, na 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito, que ocorreu em Brasília nos dias 18 e 19/11.

As constantes quedas nos índices de mortalidade e feridos têm origem no Programa de Proteção à Vida, que vem sendo desenvolvido desde 2013. A meta é reduzir a mortalidade a 6/100 mil até 2020, conforme proposta da Organização das Nações Unidas.

Fazem parte dessas iniciativas paulistanas o estabelecimento da velocidade máxima de 50 km/h nas principais vias. Também integram as ações o estabelecimento de perímetros específicos, de grande volume de pedestres e centros comerciais, em que a velocidade máxima não ultrapassa os 40 km/h. há, ainda, a implementação de faixas exclusivas para ônibus e bicicletas, que contribuem para organizar o trânsito.

A Conferência Global está em sua segunda edição e se propõe a debater e apresentar soluções para o trânsito em escala mundial.

Nos dois dias do evento, dirigentes políticos participam dos debates em conjunto com organizações internacionais, não governamentais, entidades acadêmicas e o setor privado.

Secretário Tatto apresenta os resultados que vêm sendo alcançados em São Paulo