quinta-feira, 1 de outubro de 2015

CET implanta redução de velocidade máxima em mais 3 vias


A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantará a partir da próxima quarta-feira (07/10) a redução de velocidade máxima para 50 Km/h em 3 vias da capital.

As alterações acontecerão na Avenida República do Líbano, Avenida Indianópolis e em um trecho da Rua Manoel da Nóbrega. Atualmente, a velocidade permitida nesse corredor é de até 60 km/h.
 
A medida está inserida no plano de redução de acidentes viários do Programa de Proteção à Vida. Serão instaladas faixas e painéis informativos para orientar os motoristas sobre as mudanças e utilizadas 79 placas de sinalização vertical.

O Programa de Proteção à Vida foi iniciado em 2013, no começo da atual gestão, e busca a redução de acidentes e atropelamentos na cidade ampliando uma série de ações para segurança de todos os agentes do trânsito, especialmente os pedestres. A iniciativa inclui várias frentes como o CET no Seu Bairro, a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

Alterações no Sistema Viário

Rua Manoel da Nóbrega
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Praça Armando de Sales Oliveira e a Rua Bento de Andrade (trecho com 0,3 km de extensão).

Avenida República do Líbano
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Rua Bento de Andrade e a Avenida Indianópolis (trecho com 2,3 km de extensão).

Avenida Indianópolis
Regulamentação de velocidade máxima de 50 km/h entre a Avenida República do Líbano e a Avenida Jabaquara (trecho com 3,6 km de extensão).
 
A Engenharia de Campo da CET vai acompanhar o desempenho da nova medida e intensificar o monitoramento do trânsito nessas regiões.

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Mortes no trânsito caem 18,5% na Capital Paulista

118 mortes foram evitadas nos primeiros seis meses deste ano.

A cidade de São Paulo reduziu em 18,5% o índice de mortes no trânsito comparando o 1º semestre de 2015 com o de 2014. Foram evitadas 118 mortes. No mês de junho o índice de mortes a cada 100.000 habitantes caiu 8,7%, passando de 10,35 para 9,45. Segundo dados do Ministério da Saúde o índice nacional é superior a 20.

Os dados foram divulgados na tarde desta terça-feira, 29, na Chácara do Jóquei, zona oeste da cidade, pelo prefeito Fernando Haddad e o secretário de transportes, Jilmar Tatto. O ato foi marcado pelo início do plantio de 118 árvores, simbolizando as mortes evitadas no tráfego da capital.

Plantio de mudas simboliza vidas salvas no trânsitoPlantio de mudas simboliza vidas salvas no trânsito/ Foto: Sidnei Santos

A meta já estabelecida para São Paulo é a de atingir o índice de 6,0 mortos no trânsito a cada 100.000 habitantes até 2020. Para isso, medidas importantes vêm sendo tomadas na atual gestão por meio do Programa de Proteção à Vida, iniciado em 2013.

A iniciativa inclui várias frentes como o CET no Seu Bairro, a implantação de Áreas 40, da Frente Segura (bolsões de parada junto aos semáforos para motociclistas e bicicletas), das faixas de pedestres diagonais em cruzamentos de grande movimento e da redução de velocidade máxima para o padrão de 50 km/h nas vias arteriais. Também foram revitalizados os semáforos de 4.537 cruzamentos na cidade. Com isso, pretende-se melhorar a segurança dos usuários do sistema viário, buscando a convivência pacífica entre todos.

A meta da ONU é reduzir em 50% o número de mortes no trânsito. “Quando começou o programa da ONU em 2011, o índice da cidade era 12 mortes a cada 100 mil veículos, agora atingimos o menor índice, 9,45, e está diminuindo, vamos trabalhar para atingir os 6% que é a nossa meta junto com a ONU até 2020” afirmou o secretário de transportes Jilmar Tatto.

Outro indicador de queda é o referente às mortes em cada 10.000 veículos. A redução chegou a 11,3% no comparativo entre o primeiro semestre de 2014 e 2015 oscilando de 1,59 para 1,41.

“Temos um Programa de Proteção à Vida que está em curso. Esses números mostram que todas as iniciativas, e não só a redução, estão dando resultados. O ciclista está mais seguro. Caiu praticamente 50% o número de mortes. Isso é malha cicloviária. Onde tem ciclovia tem mais segurança”, disse o prefeito.

Analisando as mortes por tipo de usuário das vias no 1º semestre de 2015 e comparando-as com os números do 1º semestre de 2014, destacam-se a redução de 16,1% nas mortes de pedestres (de 274 para 230); a redução de 26,1% nas mortes de ocupantes de veículos (de 115 para 85); a redução de 46,4% nas mortes de ciclistas (de 28 para 15); a redução de 14,1% nas mortes de motociclistas (de 220 para 189).

Levantamento realizado pela CET mostra a queda em todos os índices de acidentes com vítimas fatais de trânsito envolvendo pedestres, motociclistas, ciclistas, motoristas e passageiros.

 Tabela

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Transportador: Participe da Pesquisa Origem Destino de Cargas



Desde junho deste ano a Secretaria Municipal de Transportes, por meio da CET, está realizando a Pesquisa de Origem e Destino de Cargas no Município de São Paulo. O objetivo principal é caracterizar a circulação de mercadorias na cidade para permitir estudos para o embasamento de políticas específicas para o setor. Os resultados deste levantamento inédito permitirão ao poder público e à iniciativa privada adotar medidas que visem a redução dos custos da logística de transportes, dentre outros benefícios.

Esta iniciativa conta com o apoio técnico da  Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) e financiamento do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), que escolheu três cidades brasileiras – São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba - para participar do Programa Sustainable Transport And Air Quality (STAQ).

Além de permitir um melhor conhecimento da matriz de Origem e Destino do Transporte de cargas na cidade, a pesquisa poderá proporcionar maior racionalidade e eficiência na distribuição de mercadorias e no uso da infraestrutura viária da cidade.

Até o momento, o questionário da pesquisa já foi respondido por  cerca de 1.000 empresas de diversos setores econômicos. O término das coletas de dados está programado para dezembro de 2015. Ainda há tempo de mais setores empresariais participarem deste processo. É importante que todas as empresas envolvidas com o assunto participem da pesquisa.

Veja aqui mais informações. O êxito da Pesquisa Origem Destino de Cargas do Município de São Paulo depende, em grande parte, da participação de todos os setores envolvidos com a movimentação de cargas na nossa cidade. Se você, empresário, deseja participar deste importante estudo, contate a Comap (a empresa responsável pela aplicação do questionário) pelo e-mail od.cargas.sp@comapconsultoria.com.br ou telefone (11) 3090-2472. Depois, é só receber bem o pesquisador!