sexta-feira, 8 de maio de 2015

CET implanta quatro bolsões de espera para motos na Avenida Professor Francisco Morato

Para melhorar a segurança de motociclistas, a CET vem implantando uma sinalização horizontal que delimita uma área exclusiva de espera para motos. Esta iniciativa faz parte da chamada Operação Frente Segura, lançada em abril de 2013 para criar uma área de acomodação mais segura para os veículos sobre duas rodas, ao pararem para aguardar a abertura do semáforo. Com estas implantações a cidade passará a contar com 191 bolsões na cidade.

Na próxima segunda-feira (11/05) serão ativados quatro novos bolsões em cruzamentos da Avenida Professor Francisco Morato, exclusivos para motocicletas:
  • Avenida Professor Francisco Morato com Avenida dos Três Poderes
  • Avenida Professor Francisco Morato com Rua Roquete Pinto
  • Avenida Professor Francisco Morato com Rua João Batista de Souza Filho
  • Avenida Professor Francisco Morato com Rua Carlos Lima Morel 
Além da sinalização de solo característica (pictogramas de motocicleta pintados no asfalto), a caixa de acomodação – que está situada entre a faixa de pedestres e os automóveis parados no vermelho do semáforo veicular - tem sua sinalização reforçada com placa educativa, evidenciando que ali é um espaço para a espera de motos. Serão implantados 127 m² de sinalização horizontal e 6 placas.

Atenção aos vulneráveis

Os pedestres, ciclistas e os motociclistas são os agentes de trânsito mais vulneráveis a acidentes quando o assunto é Segurança Viária. Em 2014, das 1.249 pessoas que perderam a vida vítimas de ocorrências fatais no sistema viário, 555 (44,4%) eram pedestres, 440 (35,2%) conduziam motocicleta e 47 (3,8%) estavam pedalando.

Os locais para implantação da Frente Segura são escolhidos, basicamente, em função do volume considerável de veículos de duas rodas que passam pelas vias e conflito veicular, incluindo-se aí o critério da Segurança Viária.

A iniciativa da Frente Segura tem como objetivos:

- Proporcionar maior segurança para as motocicletas e ciclistas, diminuindo o conflito com autos no momento da largada no verde do semáforo;
- Aumentar o respeito das motos à linha de retenção e à faixa de travessia;
- Dar maior visibilidade às motos junto às travessias de pedestres;
-  Diminuir o número de acidentes envolvendo motos, ciclistas e pedestres no cruzamento.

A primeira caixa de acomodação foi implantada na extremidade do Viaduto do Chá, no cruzamento com a Rua Xavier de Toledo, no final do mês de abril de 2013. Vale lembrar que essa sinalização, que ainda é novidade no trânsito paulistano, já vem sendo usada com êxito em cidades espanholas como Barcelona e Madri. Em Barcelona, foi testada em três cruzamentos em 2009 e, posteriormente, expandida para outros locais. A autoridade de trânsito de Barcelona, onde as motos são 29% da frota de veículos, avalia que a área de espera exclusiva para motos diminuiu em 90% o risco de acidentes com motos nos cruzamentos daquela metrópole.



Novo trecho de ciclovia com 800 metros de extensão, na Avenida Padre Orlando Garcia da Silveira

Desde quinta-feira (7), a cidade passa a contar com 318,2 km de vias destinadas aos ciclistas. Foi ativado novo trecho de ciclovia com 800 metros de extensão, na Avenida Padre Orlando Garcia da Silveira, entre as avenidas João Paulo I e Deputado Cantídio Sampaio, na região da Brasilândia, Zona Norte da Cidade. Futuramente haverá conexão com o trecho da Avenida José da Natividade Saldanha.

Desde junho de 2014 já foram implantados 219,5 km. Antes a cidade possuía 64,7 km de ciclovias e 34 km de rotas. A meta da Prefeitura é viabilizar uma malha de 400 km até o final de 2015.

“Ultrapassamos os duzentos quilômetros de ciclovias na cidade, estamos ampliando as conexões para que os ciclistas tenham mais opções de deslocamentos”, afirma o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto.

O percurso da ciclovia é unidirecional, ao lado do canteiro central. O trajeto está sinalizado sobre o leito carroçável.

Haverá travessia rodocicloviária nos cruzamentos da Avenida Padre Orlando Garcia da Silveira com as ruas Era Colonial, Jules Dalou e João Maurício da Costa Jubim.

Ciclovia Avenida Padre Orlando Garcia da Silveira

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Ciclovia da Avenida Luís Stamatis com 1,1 km entra em funcionamento no Jaçanã


Desde ontem, 05/05, a cidade passou a contar com 317,4 km de vias destinadas aos ciclistas. A CET entregou novo trecho de ciclovia com 1,1 km de extensão, na Avenida Luís Stamatis, entre as avenidas Edu Chaves e Guapira, no Jaçanã, Zona Norte da Cidade.

O percurso da ciclovia será bidirecional, ao lado da calçada. O trajeto está sinalizado sobre o leito carroçável.


Recomendações ao Público
•  Respeite a sinalização;
•  Por se tratar de uma ciclovia a ser utilizada pelo público em geral (adultos, crianças e idosos), não se destina à prática de atividades desportivas de ciclismo, devendo ser percorrida em velocidade compatível;
•  Se necessitar pedir informações, proceda de forma a não atrapalhar a fluidez do trânsito;
•  É proibida a utilização da ciclovia por pedestres.

Ciclovia Avenida Luís Stamatis





Ciclovia da Avenida Waldemar Ferreira com 900 metros entra em funcionamento no Butantã


Desde ontem, 05/05, a cidade passou a contar com 317,4 km de vias destinadas aos ciclistas. A CET entregou novo trecho de ciclovia com 900 metros de extensão, na Região do Butantã, Zona Oeste da Cidade. A ciclovia faz conexão com a ciclovia da Avenida Lineu de Paula Machado, região da Cidade Jardim.

O percurso da ciclovia será bidirecional, ao lado da calçada. O trajeto está sinalizado sobre o leito carroçável. Na demarcação estão sendo usados, aproximadamente 1.700 m² de sinalização horizontal, 61 placas de trânsito indicando “Circulação exclusiva de bicicletas” e de regulamentação e advertência, 176 tachões e balizadores.

A ciclovia segue o seguinte trajeto:
 •  Rua Romão Gomes, entre Avenida Valdemar Carlos Ferreira e Rua Agostinho Cantu;
 •  Rua Agostinho Cantu, entre as ruas Romão Gomes e Lemos Monteiro;
 •  Rua Lemos Monteiro, entre as ruas Agostinho Cantu e Des. Armando Fairbanks;
 •  Rua Desembargador Armando Fairbanks, entre a Rua Agostinho Cantu e Avenida Valdemar Ferreira;
 •  Avenida Valdemar Ferreira, entre a Rua Desembargador Fairbanks e Avenida Vital Brasil;

Em razão da realização de feira-livre na Rua Agostinho Cantu às quintas-feiras, a sinalização no local orienta o ciclista a atravessar esse trecho desmontado.

Ciclovia da Avenida Waldemar Ferreira

Região do Jabaquara ganha novos trechos de ciclovia, com 5,1 km de extensão


Desde ontem, 05/05, a cidade passou a contar com 317,4 km de vias destinadas aos ciclistas. A CET entregou dois novos trechos de ciclovia com 1,6 km de extensão na Avenida Engenheiro George Corbisier, e 3,5 km na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, na região do Jabaquara, Zona Sul da Cidade. Somadas com o trecho da Rua Jupatis, a região passa a contar com 5,9 km de ciclovia e futuramente fará integração com a Ciclovia da Avenida Jabaquara.

Os novos percursos são sinalizados sobre o leito carroçável, ao lado do canteiro central ou do passeio das vias. Na demarcação estão sendo usados, aproximadamente 14.700 m² de sinalização horizontal, 327 placas de trânsito indicando “Circulação exclusiva de bicicletas” e de regulamentação e advertência, 4.120 tachões e balizadores.

As ciclovias seguem os seguintes trajetos:
  • Avenida Engenheiro George Corbisier, entre Rua dos Curupiás e Avenida General Valdomiro de Lima – bidirecional, junto ao canteiro central;
 •  Avenida Engenheiro George Corbisier, entre as avenidas General Valdomiro de Lima e General Daltro Filho – Unidirecional, junto ao canteiro central;
Avenida Engenheiro George Corbisier, entre a Avenida General Daltro Filho e Rua Jurupatis – bidirecional, junto ao canteiro central;
 •  Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, entre a Rua dos Comerciários /Rua dos Jequitibás e Avenida Fulfaro – Unidirecional, junto ao canteiro central;


Haverá semáforos para travessia rodocicloviária nos cruzamentos da Avenida Engenheiro George Corbisier com Avenida General Valdomiro de Lima, Rua dos Jequitibás e Rua Carmine Di Gênio; e nos cruzamentos da Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira com a Rua das Pérolas, Avenida Barro Branco e Rua Hildebrando Siqueira. Haverá semáforos exclusivos para ciclistas nos cruzamentos da Avenida Engenheiro George Corbisier com a Rua dos Curupiás e com a Praça Acácio Ramos.

Ciclovia Região do Jabaquara


Ciclovia da Ponte da Vila Guilherme com 1,0 km entra em funcionamento


Desde ontem, 05/05, a cidade passou a contar com 317,4 km de vias destinadas aos ciclistas. A CET entregou novo trecho de ciclovia com 1,0 km de extensão, na Ponte da Vila Guilherme, sobre a Marginal do Rio Tietê. A ciclovia proporciona a conexão da ciclovia da Avenida Joaquina Ramalho, na Vila Guilherme, Zona Norte da Cidade, com a ciclovia da Avenida Bom Jardim, no Pari/Canindé, no Centro.

A travessia de ciclistas em pontes e viadutos sobre as Marginais dos rios Tietê e Pinheiros vem sendo objeto de atenção especial pela SMT/CET.
Em Outubro de 2014, a pasta apresentou a proposta de construção de ciclovias e ciclopassarelas para 12 das 28 pontes existentes nas Marginais.

O novo percurso é bidirecional, sobre o canteiro central, no eixo da ponte, e faz a ligação entre a Rua dos Machados e as avenidas Bom Jardim e Carlos de Campos.  Na demarcação estão sendo usados, aproximadamente 3.100 m² de sinalização horizontal, 4 placas de trânsito indicando “Circulação exclusiva de bicicletas”, 1.200 tachas e gradis de proteção.


Ciclovia da Ponte Vila Guilherme

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Prefeitura entrega 8,5 km de ciclovias

Desde a última terça-feira, dia 05, a cidade passou a contar com 315 km de infraestrutura cicloviária.
A CET entregou cinco novos trechos de ciclovia com 8,5 km de extensão, nas zonas Oeste, Norte e Sul da Cidade. As ciclovias estão localizadas em trechos das avenidas George Corbisier, Waldemar Ferreira, Armando de Arruda Pereira e Luís Stamatis e Ponte Vila Guilherme.

Do total da malha cicloviária existente na cidade, a atual gestão inaugurou 216,8 km desde junho de 2014. Antes, São Paulo possuía 64,7 km de ciclovias e 34 km de rotas. “Ultrapassamos os duzentos quilômetros de ciclovias na cidade, estamos ampliando as conexões para que os ciclistas tenham mais opções de deslocamentos”, afirma o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto.

Recomendações ao Público

  • Respeite a sinalização;
  • Por se tratar de uma ciclovia a ser utilizada pelo público em geral (adultos, crianças e idosos), não se destina à prática de atividades desportivas de ciclismo, devendo ser percorrida em velocidade compatível;
  • Se necessitar pedir informações, proceda de forma a não atrapalhar a fluidez do trânsito;
  • É proibida a utilização da ciclovia por pedestres.

Saiba mais sobre o programa CicloviaSP.