sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Avenidas Sumaré e Paulo VI ganham espaço compartilhado entre ciclistas e pedestres

A Zona Oeste da cidade terá nesta sexta-feira, dia 22, um espaço compartilhado no canteiro central das avenidas Sumaré e Paulo VI, com 2,7 km de extensão, para ciclistas e pedestres. A novidade valerá no trecho entre as praças Caetano Fracaroli e Marrey Junior.

O trajeto será bidirecional sobre o canteiro central. Na demarcação, estão sendo usados 9.500m² de sinalização horizontal, 32 placas de trânsito indicando "Circulação compartilhada entre ciclistas e pedestres" e 22 placas de regulamentação e advertência. Há, ainda, travessias rodocicloviárias e travessias de pedestres em dez cruzamentos ao longo das avenidas.


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Pinheiros ganha ciclopassarela


Nesta quarta-feira (20) será inaugurada  uma ciclopassarela com extensão de 180 metros, que ligará o Parque do Povo à Ciclovia da Marginal Pinheiros.
A ciclopassarela é uma contrapartida de mitigação atendida por um empreendimento polo gerador de tráfego instalado na região. O projeto foi concebido pelo empreendedor e aprovado na Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Siurb). A via elevada possui rampas e um elevador para facilitar o acesso.
Até o momento, a capital paulista conta com 20,3 km de rede cicloviária inaugurados e a meta é atingir 400 km até o final de 2016.
Nos próximos dias, a partir da ciclopassarela, será concluída a conexão com um novo trecho de ciclovia (ver mapa), que irá até as vias para ciclistas já existentes na Avenida Brigadeiro Faria Lima e na Marginal do Rio Pinheiros.
As primeiras ciclovias, dentro da proposta de expansão, surgiram em junho deste ano. Desde então, 12 ativações já foram realizadas (contando com esta da ciclopassarela).


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

São Paulo ganha mais um parklet na Vila Mariana

A cidade de São Paulo ganhou na última quarta-feira, 13, mais um parklet, espaço temporário de lazer instalado sobre vagas de estacionamento em espaços públicos. A nova plataforma foi instalada pelo Instituto Mobilidade Verde, na esquina das ruas Doutor Oscar Porto e Abílio Soares, na Vila Mariana, zona sul.
"Nós estamos caminhando para São Paulo ser uma cidade sustentável, sob vários aspectos. A cidade que se desenha a partir da aprovação do Plano Diretor tem muito pouco a ver com a São Paulo dos anos 30 para cá. E isso passa por artistas de rua, carnaval de rua, praças WiFi e coletas seletivas. É uma mudança de entendimento do que é uma cidade", afirmou o prefeito, na inauguração.
Os parklets são plataformas que podem ser equipadas com bancos, floreiras, mesas, cadeiras, guarda-sóis, aparelhos de exercícios físicos, paraciclos ou outros elementos de mobiliário, sempre com a função de recreação ou de manifestações artísticas.
Trata-se de uma iniciativa que permite e estimula o uso do espaço público de forma democrática, permitindo que os próprios cidadãos construam seus locais de convívio, melhorando a paisagem urbana e transformando espaços em lugares mais arborizados, com mais equipamentos e mobiliários urbanos, beneficiando ainda um número maior de usuários.
Segundo o presidente do Instituto Mobilidade Verde, Lincoln Paiva , está em estudo a instalação de mais de 100 parklets no próximo ano. "São empresas de todos os tipos interessadas, desde grandes a pequenos comércios", disse. Para ele, a divulgação da iniciativa é fundamental não só para que mais pessoas saibam exatamente do que se trata, mas para que os custos sejam barateados.
Para a proprietária do restaurante Tenda do Nilo, Olinda Isper, o parklet instalado em frente ao comércio ainda é uma novidade. "Esses parklets são uma grande novidade para mim, que até há pouco tempo não sabia do que se tratava. O melhor de tudo isso é que teremos mais uma área de lazer aqui no bairro", afirmou a comerciante. Como a plataforma é um espaço público, as mesas e bancos do local não poderão ser utilizadas como extensão do empreendimento.

PARKLET – HUMANIZANDO O ESPAÇO URBANO
A instalação dos parklets pode ser de iniciativa da administração pública ou de qualquer munícipe (pessoa física ou jurídica). Os custos referentes à instalação, manutenção e remoção do parklet são de responsabilidade exclusiva do mantenedor. A proposta deve atender às normas técnicas de acessibilidade e diretrizes estabelecidas pela CET e pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU).
Entre as restrições estão, por exemplo, a instalação de parklets em locais onde haja faixa exclusiva de ônibus, ciclovias ou ciclofaixas, ou em vias com limite de velocidade acima de 50 km/h. O decreto que regulamenta os parklets, de número 55.405, foi assinado no dia 16 de abril de 2014 pelo prefeito, no primeiro parklet instalado em São Paulo, na esquina da rua Padre João Manuel com Avenida Paulista.

Quer saber mais sobre Parklets? Acesse gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/parklets/

Bilhete Único já pode ser carregado com cartão de débito pelo celular

2,5 milhões de usuários que utilizam o Bilhete Único Comum podem se beneficiar com a tecnologia, que permite também a consulta de saldos do bilhete.
Foi apresentada na quarta-feira, 13 de agosto, pelo secretário municipal de Transportes, a nova função de recarga pelo celular do Bilhete Único utilizando o cartão bancário de débito. O aplicativo gratuito, recém lançado pela SPTrans, permite ao usuário uma recarga rápida e segura, além de oferecer mais conforto e comodidade, já que a transação dura minutos e o valor dos créditos cai assim que a operação for concluída.
“O aplicativo para recarregar o Bilhete Único, os novos validadores com câmera para combater fraude e as outras tecnologias que estão sendo testadas, são esforços da SPTrans para facilitar a vida do usuário do transporte coletivo. São produtos que estão à disposição da população”, afirmou o secretário Jilmar Tatto durante a apresentação, que contou também com a participação do diretor de Gestão Econômico-Financeira da SPTrans, Adauto Farias, e do presidente da Rede Ponto Certo, Nelson Martins.

imagem promocional para os aplicativos da SPTrans

Todos os cartões bancários que possuem a bandeira Visa estão habilitados para realizar a recarga . Para os que possuem a bandeira Mastercard, os cartões dos bancos Santander, BR e Bancoob já oferecem a funcionalidade. Por enquanto, apenas os Bilhetes Comuns e VT´s podem ser recarregados com esse aplicativo. A Rede Ponto Certo, desenvolvedora do programa já homologado pela SPTrans , estuda ampliar a funcionalidade de recarga para todas as outras modalidades do Bilhete Único.
Quem baixar o aplicativo no celular poderá consultar o valor dos créditos disponíveis e, ao realizar a recarga pelo aparelho, evitará as eventuais filas possam surgir nos horários de pico.
O valor máximo de recarga pelo celular utilizando o cartão de débito é de R$ 230,00 e a função NFC (Near Field Communication) deve estar ativada nas configurações do aparelho.
Celulares compatíveis
Cerca de 60 smartphones já são compatíveis com o download da ferramenta, entre eles o Samsung Galaxy S3 e Galaxy S4, o Motorola Moto X, Razr, Razr HD e Razr D3, o Sony Xperia L, Xperia ZL e Xperia SP, o Nexus 4, Nexus 5 e o LG G2, além dos tablets Nexus 7 (versão 2013) e Nexus 10.

Para mais informações sobre Aplicativos de Mobilidade da SPTrans, clique aqui.


Novas ciclovias na R. Dr. Assis Ribeiro e na Av. Guilherme Cotching

R. Dr. Assis Ribeiro

O novo percurso está integrado à Estação Com. Ermelino Matarazzo da CPTM e à Vila Jacuí. Agora, a cidade conta com 20,2 km implantados desde o início do ano.
Mais 2,1 Km de ciclovia foram entregues neste sábado, 16. O novo trecho é na Rua Dr. Assis Ribeiro, Zona Leste. A ciclovia é unidirecional sobre o canteiro central da Rua Dr. Assis Ribeiro, no trecho entre a Av. Paranaguá e a Rua Rio Soturno. O traçado proporciona conexão com a Estação CPTM Comendador Ermelino Matarazzo e acesso à Vila Jacuí.

Av. Guilherme Cotching

No dia 16 de agosto, o Secretário municipal de Transportes inaugurou a Ciclovia da Avenida Guilherme Cotching. Com 1,7 km de extensão, a nova ciclovia funcionará no canteiro central da avenida, a partir do entroncamento da Rua Isidoro Matheus/Av. Nadir Dias de Figueiredo até a Rua Araritaguaba.
O percurso cicloviário passará por pólos atrativos da região, como a Igreja da Candelária e a Zona Comercial Guilherme Cotching.




Antes dos novos trajetos que vêm sendo inaugurados desde junho, São Paulo possuía 63 km de ciclovias. A meta da Prefeitura e da SMT é viabilizar uma rede de 400 km até o fim de 2015.

Acompanhe as novidades do programa, a evolução do mapa cicloviário da cidade na seção Bicicleta no site da CET.